Viagem à Sombra

Viagem à Sombra
Categoria
Exposições
Hoje
19-10-2017 15:00
Local
Galeria do Parque - Praça da República, 2260 Vila Nova da Barquinha, Portugal
Telefone
249720358
E-mail
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Gil Heitor Cortesão parte de imagens que encontra em revistas de arte e actualidade, em jornais, em livros de arte, arquitectura e design; modifica-as quando baste mas procede de modo a que com elas continuemos a manter uma relação de reconhecimento (por vezes eufórico, outras vezes melancólico). Interessa-lhe fixar o momento que sem a imagem se perderia (os acontecimentos) ou insistir em imagens de longa duração (por exemplo, partindo de fotos de edifícios ou paisagens). Uniformizando as diferenças temporais entre ambas as situações, Gil Heitor Cortesão, ao mesmo tempo, anula a efemeridade do mundo pela fixação das imagens num suporte pictórico e nega a sua perenidade sujeitando-as a uma sucessão de contaminações e desgastes (por saturação, maceração, dilaceração, falhas, escorridos e arrastamentos de matéria...)
Neste conjunto de pinturas temos, como dominante, a representação de habitações, embora sem que nenhuma unidade se defina: podemos encontrar tendas dos nativos americanos, casas de arquitectura popular ocidental ou casas referenciáveis a grandes arquitectos modernos. Uma segunda dominante temática é a água; ou, mais genericamente ainda, a sinalização das catástrofes que abalam essas habitações – podendo ser imensas inundações mas também um fogo devastador. Finalmente, há um interior que se percebe ter, na origem, uma imagem de intenção evidentemente demonstrativa (publicitária) do design moderno e uma outra imagem de um sereno e vasto parque urbano.
De facto, do que se trata, nestas obras é de explorar alguns exemplos extremos: de apropriação cultural, de relação entre o homem e a paisagem humanizada; exemplos de controlo do mundo pelo homem ou da sua desregulação e perda de controlo. Ou seja, Gil Heitor Cortesão, tenta aproximar-se e aproximar-nos de algumas possibilidades/modalidades de habitar o mundo, demonstrando a precariedade de cada solução mas também a persistência do trabalho do pintor e de quem vê.
Na exposição, repetindo-se obsessivamente ou com pequenas variações, fazendo-nos saltar de tema sem lógica aparente, mergulhando-nos ou queimando-nos (literalmente, do ponto de vista do tema visual) passamos de umas imagens a outras como se sucedem os quadros de um sonho – mas, como sabemos que, cada uma destas imagens é encontrada num banco de dados real, a inquietação que nos provocam não se atenua nem se extingue a curiosidade de continuar a (dar a) ver.

A exposição é comissariada por João Pinharanda, no âmbito da parceria da Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha com a Fundação EDP para a programação artística do Parque de Escultura Contemporânea Almourol (www.barquinhaearte.pt).

 

Galeria do Parque
Edifício dos Paços do Concelho de Vila Nova da Barquinha
Horário:
Quarta, quinta e sexta-feira > 11:00 às 13:00, 15:00 às 18:00
Sábado e domingo > 15:00 às 18:00
Encerra à segunda e terça-feira

 

Entrada gratuita

 
 

Todas as datas

Evento: De 07-10-2017 15:00 a 14-01-2018 18:00
quarta, quinta, sexta, sábado & domingo

Esta página requer cookies para o seu bom funcionamento. Para mais informações consulte a politica de privacidade. Politica de privacidade .

Aceitar utilização de cookies
Politica de cookies